OCBAL homenageia Ernesto Ríos no Brasil

Um dos maiores nomes do muralismo no México, o pintor e escritor Ernesto Ríos Rocha está sendo homenageado pela Organização Cultural Brasil América Latina (OCBAL) por causa de seu destacado trabalho e sua participação ativa na sociedade mexicana e vários outros países, onde participa de vários eventos, como por exemplo, o Segundo Festival Artes Sem Fronteiras Pela Paz da Colômbia.

Suas obras também são reconhecidas no Brasil, o que levou a OCBAL a homenageá-lo e propagar seu trabalho para seus membros e apoiadores. Ernesto Ríos é autor do livro “Viaje al corazón” (Viagem ao coração), que leva o leitor a refletir sobre a vida.

A homenagem brasileira ao artista mexicano acontece não apenas por seu talento, mostrado em suas obras, mas também pela sua importante colaboração com projetos sociais no México através de eventos culturais e atuação como palestrante em muitos lugares de seu país e do mundo.

Ernesto Ríos é criador do maior mural do mundo em sua categoria, Entre seus retratados está o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador. Isso é um pouco do que faz o artista mexicano Ernesto Ríos, que é considerado um artista completo nas artes e na cultura.

Em 2009 o artista mexicano foi convidado para fazer um grande mural. Ernesto Ríos resolveu fazê-lo um pouco maior chegando a medir 1.700 metros quadrados. Como resultado de sua criatividade e dedicação, ele conseguiu bater um recorde, que antes pertencia à Suíça. “Segundo o Guinnes World Records, nosso mural foi considerado o maior do mundo na categoria linear e de apenas uma cara”, contou ele.

O mural que está no Livro dos Guinnes desde 2009 foi criado por Ernesto Ríos na cidade de Mazatlán em Sinaloa, no México. Mais exatamente no MIC (Mazatlán International Center), famoso centro de convenções do país. “É um mural desmontado, feito sobre placas com estrutura metálica que medem três metros de largura por cinco metros de altura e 115 placas formal todo o mural”, explicou o mexicano Ernesto Ríos, acrescentando que a obra levou um ano e meio para ser realizada e contou com apoio de 28 ajudantes, entre pintores, engenheiros, escultores e outros profissionais, em especial da área de segurança.