Corinthians planeja dar um “chacoalhão” em jogadores e tem 2014 como exemplo

Corinthians planeja dar um "chacoalhão" em jogadores e tem 2014 como exemplo
Corinthians planeja dar um "chacoalhão" em jogadores e tem 2014 como exemplo

Embora o técnico Tiago Nunes sofra críticas internas e já tenha até mesmo a sua continuidade no Corinthians discutida, o principal foco do descontentamento da diretoria alvinegra é com o elenco.

Na avaliação de membros da cúpula alvinegra, há jogadores abaixo do que podem render, e isso seria causado por uma suposta falta de foco e motivação.

Os cartolas admitem que o elenco tem deficiências, mas entendem que era possível produzir muito mais.

Para solucionar o problema, a ideia é dar um “chacoalhão” no grupo quando os campeonatos forem retomados. Isso seria feito não apenas em conversas com os atletas, mas também com medidas práticas.

Neste sentido, Tiago Nunes terá carta branca para barrar medalhões e jogadores que não estejam bem. A possibilidade de negociar atletas também é discutida.

Aliados do presidente Andrés Sanchez usam o ano de 2014 como exemplo. Naquela temporada, Paulo André e Douglas foram negociados logo no começo do ano. Depois, o ídolo Emerson Sheik foi barrado pelo técnico Mano Menezes e acabou se transferindo para o Botafogo. Alexandre Pato também foi negociado com o São Paulo.

Em 2020, dois ídolos já deixaram o Timão: Ralf e Jadson, que não estavam nos planos do técnico Tiago Nunes. Outros atletas que não vinham agradando, como Sornoza, Júnior Urso, Renê Júnior e Gustagol também deixaram o Timão.

Em 2014, o Corinthians não conquistou nenhum título, mas começou a formar o time que seria vitorioso no ano seguinte, com Tite.

Eliminada precocemente da Copa Libertadores, a equipe de Tiago Nunes também tem situação complicadíssima no Paulistão. Faltando duas rodadas para o fim da fase de grupos, o Timão está a cinco pontos do Guarani, segundo colocado de sua chave. O Corinthians não venceu as últimas seis partidas que disputou na competição.